Tire uma soneca! 7 benefícios do “power nap”

Tempo é dinheiro. Não é? Talvez seja por conta desta máxima que os seres humanos são os únicos animais que tentam reunir todo o sono do dia em um único período, contínuo e longo.

Quem tem animal de estimação sabe bem que cães e gatos, por exemplo, tiram vários cochilos por dia. Bate uma invejinha, não bate? Não seria ótimo poder deitar por alguns minutos após o almoço, não importa o dia da semana? Então, fica a dica: torne os “power naps”, esses verdadeiros cochilos energizantes, parte da sua rotina diária.

Pessoa espremendo limões

7 motivos para Aderir ao “power nap”:

  1. Quando estamos cansados, a tendência é recorrer a alimentos gordurosos ou nada saudáveis. Dormir o bastante ajuda a perder peso.
  2. Tirar uma soneca eleva a capacidade de concentração e melhora a memória.
  3. Depois de um “power nap”, a produtividade aumenta.
  4. Dormir o suficiente também ajuda a manter a aparência em dia, com um look descansado e rejuvenescido em vez de cara de zumbi.
  5. Sabia que cochilos reduzem o risco de infartos e derrames (AVC)?
  6. Um “power nap” melhora o humor de qualquer pessoa! (Até bebês ficam mal-humorados quando dormem pouco, e nós adultos não escapamos da regra).
  7. Dar um tempo nas obrigações do dia a dia e transformar essa pausa em soneca reduz o nível de estresse.

Qual é a duração ideal de um “power nap”?

Para ser de fato um cochilo energizante, não deve durar mais que 20 minutos. Ultrapassando essa duração, já entramos no sono profundo — e, acredite, você quer evitar isso! Como se controlar? Coloque um alarme.

Homem dormindo em uma cama

Acerte no cochilo energizante

A forma de dormir é importante, mas a forma de acordar também é. Vamos a algumas dicas para o seu próximo “power nap”:

  • Escolha a hora certa: tirar o cochilo no início da tarde pode alavancar seus níveis de energia. Já dormir no fim da tarde pode atrapalhar o ciclo de sono noturno.
  • Tome um café antes do “power nap”: vamos à matemática. A cafeína leva 20 minutos para fazer efeito no corpo, então é uma excelente ideia tomar um café antes do cochilo energizante. Assim, quando der a hora de acordar, o poder do café dará aquele empurrãozinho que faltava para você levantar e agir a vida.
  • Conforto, muito conforto: se você trabalha de casa, é fácil encaixar um “power nap” após o almoço, seja na cama ou no sofá. Trabalha em escritório? Então, você vai ter que se planejar. Alguns escritórios já oferecem um espaço para descanso. Se não for o caso, adapte sua mesa de trabalho como for possível: libere espaço, cruze os braços e forme, com eles, um travesseiro, ou incline a cadeira para trás o máximo possível (cuidado para não tombar). Música relaxante (usando fone de ouvido!) pode ser útil para cancelar os ruídos ambientes.
  • Dê um “up” na frequência cardíaca: quem tira cochilos rápidos às vezes acorda sentindo mais cansaço do que sentia antes de dormir. Isso acontece porque há uma queda na pressão sanguínea durante o sono. Assim, é importante dar um gás na circulação sanguínea quando acordar. A melhor forma de fazer isso é beber um copo de água (de preferência com um limão espremido) ou fazendo um exercício leve. Exemplos: subir escadas ou fazer alguns alongamentos dão conta de colocar o coração no ritmo certo.

Estudos indicam que as sonecas têm efeito positivo para a memória

A NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço) e o National Space Biomedical Research Institute realizaram estudos sobre o “power nap” envolvendo astronautas. Os resultados demonstram que tirar cochilos energizantes com regularidade tem efeito positivo para a memória.

Lição para levar pra vida: se quiser acordar de um “power nap” com energia para dar e vender, é importante dormir de verdade, e não só “descansar os olhos”. Claro, isso não é necessariamente fácil, automático. Mas, como com tudo na vida, a prática leva à perfeição!

***

 

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Tina Sturm-Ornezeder Tina ama escrever, é muito curiosa e está sempre de olho nas novas tendências. Ah! Ela também é apaixonada por yoga e... abacate! Ver todos os artigos de Tina Sturm-Ornezeder »