Corredores: coágulos nas pernas e sintomas de trombose (TVP)

Pessoa alongando as pernas para prevenir contra coágulos

Correr causa coágulos nas pernas? Calcular benefícios e riscos da prática de exercícios pode ser um tanto confuso. Talvez você já tenha ouvido falar em corredores super saudáveis e fortes passando desta para a melhor por conta de infartos ou sofrerem de embolia pulmonar sem aviso prévio. Assunto negativo, não é? Será que precisamos nos preocupar com isso?

Parte do problema vem de se presumir que a população mais propensa a ter coágulos sanguíneos tem mais de 60 anos, é obesa ou fumante. Na verdade, atletas de resistência de qualquer idade e também atletas que praticam esportes de contato como hockey ou futebol americano pertencem ao grupo de risco.

Nada de deixar o medo atrapalhar na corrida por uma vida saudável! Ter consciência sobre os coágulos tanto na população em geral quanto em meio a atletas é a chave para uma boa prevenção. Saiba seu risco de desenvolver uma trombose venosa profunda (TVP), como prevenir a formação de coágulos e como detectar cedo os sintomas para iniciar o tratamento.

Mulher correndo na rua

Qual é a diferença entre TEV, TVP e EP?

Eita, que sopa de letrinhas! Estamos falando de tromboembolismo venoso, trombose venosa profunda e embolia pulmonar. A coagulação sanguínea é um processo importante no qual o sangue coagula e forma uma espécie de “tampão” para impedir que, após um corte ou ferimento, o sangue continue a sair.

Ou seja, se for para curar um ferimento, a coagulação é desejável. Mas se o coágulo ocorrer nas suas veias, temos um tromboembolismo venoso no corpo, em termos médicos. O TEV pode ocorrer após passarmos muito tempo em posição sentada (como em um voo) ou ser um resultado de uma lesão. Estes coágulos podem se deslocar e serem conduzidos a outras áreas do corpo, obstruindo o fluxo sanguíneo a órgãos importantes.

A trombose venosa profunda (TVP) é um coágulo que se forma em uma veia profunda, geralmente localizada na panturrilha, coxas ou pelve. A TVP normalmente é causada por um trauma ou por uma infecção após uma lesão, ou quando ocorre um dano a uma veia devido a uma cirurgia.

Falemos sobre a embolia pulmonar (EP): é um coágulo que se origina em outra parte do corpo e chega aos pulmões ou que se origina neles, diretamente. Isso provoca uma possível falta de circulação sanguínea que danifica o tecido pulmonar, resultando em um baixo nível de oxigênio no sangue, o que prejudica outros órgãos. Dependendo do tamanho e da quantidade de coágulos, uma embolia pulmonar pode tornar-se rapidamente perigosa e até por em risco a vida.

Quem tem mais risco de desenvolver um tromboembolismo venoso?

Todas as pessoas podem desenvolver um coágulo sanguíneo, mas algumas circunstâncias, comportamentos e predisposição genética podem elevar o risco. Cerca de 900.000 americanos são afetados por coágulos sanguíneos anualmente, e o desfecho predominante é o óbito.(1)

Além da idade, a obesidade e o fumo, os maiores fatores de risco são cirurgias que podem danificar uma veia, gravidez, lesões resultando em danos aos vasos sanguíneos e imobilização, além, é claro, de histórico familiar. Quanto mais fatores de risco a pessoa acumular, maior a chance de desenvolver um coágulo.

Correr causa coágulos?

Não há dúvidas sobre o fato de que praticar exercícios com regularidade durante toda a vida aprimora a saúde. Mas, no contexto dos coágulos, a intensidade dos treinos desempenha um papel importante: os treinos longos e intensos dos maratonistas, por exemplo, trazem mais estresse para o corpo. Isso, por sua vez, facilita o surgimento de coágulos nas pernas.

Em 1884, o médico alemão Rudolf Virchow definiu três principais categorias de fatores que contribuem para o surgimento de coágulos sanguíneos. Hoje, elas são conhecidas como a Tríade de Virchow. Estes fatores estão agrupados em a) eficiência do fluxo sanguíneo (estase circulatória), b) a integridade dos vasos sanguíneos (danos vasculares) e c) a composição do sangue (hipercoagulabilidade).(2)

Tríade de Virchow: fatores que favorecem o aparecimento de coágulos

Entre estas três categorias, há fatores específicos que colocam corredores de longa distância em maior risco. Estes fatores incluem, mas não se limitam, à desidratação, inflamação, uso de contraceptivos baseados em estrogênio durante os treinos ou provas e permanecer muito tempo em posição sentada em voos quando estiver viajando para provas de corrida.

Quais são os sintomas e sinais?

O sinal mais comum de um coágulo sanguíneo na perna (ou braço) é a dor que a maior parte das pessoas descreve como uma cãibra. Pode ser acompanhado por inchaço e calor na área afetada. A pele pode ficar pálida, ou apresentar cor avermelhada ou azulada.

Já os sintomas da embolia pulmonar incluem falta de ar, dor aguda e lancinante no tórax e sensação de fraqueza. A pessoa também pode apresentar baixa pressão arterial, tosse ou febre.

Agora que você já sabe quais são os sintomas, se aparecerem, não os ignore! Os coágulos sanguíneos podem se dissolver sozinhos, mas procure ajuda médica pois um plano de tratamento pode ser necessário (utilização de medicamentos anticoagulantes).

Tratamento de coágulos

Procure ajuda médica. É crucial avaliar o risco que o coágulo apresenta à saúde. Se o coágulo for perigoso, podem ser receitados anticoagulantes ou trombolíticos para dissolver o coágulo. Talvez você precise usar meias de compressão, manter a área elevada e se manter em movimento. Em todo caso, sempre lembre de beber bastante água, pois a desidratação faz o sangue ficar mais espesso e eleva o risco de coágulos.

Corredora bebendo água para se manter hidratada

Como prevenir coágulos?

Reforçamos: correr, em si, não causa coágulos. São as circunstâncias nas quais alguns atletas de resistência se colocam que fazem com que apresentem maior risco.

Há algumas coisas que você pode fazer para prevenir a formação de coágulos, independentemente dos riscos existentes.

5 dicas de prevenção

  1. Levante-se e movimente o corpo com regularidade. Seja no trabalho ou em um avião, ou após se recuperar de uma lesão ou cirurgia, tente mexer o corpo o máximo possível. Se não conseguir ficar de pé e caminhar, flexione os calcanhares e músculos da panturrilha a cada 20 minutos. Se estiver no trabalho, tente caminhar por 5 minutos durante cada hora. Microtreinos também fazem maravilhas para a saúde mental.
  2. Alongue-se com regularidade durante todo o dia.
  3. Cuide da hidratação. Isso deve ser prioridade sempre, mas preste bastante atenção ao consumo de água quando estiver treinando para uma prova de corrida, viajando e após os treinos.
  4. Mantenha um peso corporal saudável.
  5. Pare de fumar.

Lição para levar pra vida:

Uma pequena dose de prevenção vale muito na cura. Tente se prevenir contra coágulos antes deles se tornarem um problema e tenha em mente os sintomas.

Correr causa coágulos nas pernas? Não. Mas, se estiver treinando para maratonas ou outras provas de longa distância, prestar atenção aos sinais e mapear sua predisposição genética para qualquer tipo de tromboembolismo venoso pode salvar sua vida. Coágulos sanguíneos podem acometer qualquer pessoa. Seja sagaz e procure ajuda médica se sentir dores suspeitas parecidas com cãibras, observar uma área pálida ou sentir tonturas.

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Emily Lemon Formada em Tradução e Literatura, Emily utiliza sua perspectiva de cidadã global para focar na articulação de processos eficientes de comunicação intercultural. Ver todos os artigos de Emily Lemon »