Aliviar o estresse: quais são os melhores esportes para desestressar?

Exercises for stress relieve

Se você estiver se sentindo sobrecarregado e não aguenta mais a própria rotina, é bem provável que a sua maior vontade seja deitar e descansar.

Porém, os especialistas no assunto têm uma opinião unânime: atividades físicas são a solução. As pessoas que se exercitam regularmente diminuem os níveis de estresse, melhoram o ânimo e fortalecem a saúde mental.

A seguir, responderemos as dúvidas mais comuns sobre o estresse, com exemplos de atividades esportivas que mais aliviam o estresse.

De onde vem o estresse?

Trabalhar sob pressão, a correria que é “ter que dar conta” da família e, inclusive, de reservar tempo para lazer: no mundo atual, há muitas razões pelas quais o corpo e a mente reagem a estímulos de estresse.

Cada pessoa é única e, por isso, os impulsos que desencadeiam estresse são subjetivos e tão individuais quanto cada um. É assim que certas situações representam uma ameaça para alguns, enquanto outros as recebem como uma forma de estresse positivo (eurostress): um estresse bom que impulsiona e estimula um desempenho melhor. Veja o que acontece no cérebro!

No córtex pré-frontal…

…as informações recebidas são selecionadas, avaliadas e processadas. Quando o cérebro é bombardeado por muitas informações, ele se torna incapaz de processar todas elas. Isso gera uma sensação de sobrecarga e os sintomas de estresse que afetam diretamente a saúde.(1)

Se estamos continuamente estressados, e o corpo não consegue administrar todo o estresse, nós o sentimos como algo negativo. O corpo libera hormônios de estresse (adrenalina, noradrenalina e cortisol), que tornam o corpo mais eficiente por um curto período de tempo. Isso está relacionado ao nosso instinto de sobrevivência: nos preparamos para lutar ou fugir quando nos encontramos em situações perigosas, com quando nossos ancestrais tinham que fugir de animais selvagens.

Running is a way to fight stress and exhaustion

Por que a atividade física alivia o estresse?

A antiga reação física, correr, ainda ajuda o nosso corpo e mente a recuperar o equilíbrio hoje em dia.. (2, 3)

O esforço físico e o esporte…

…são assuntos do córtex motor do cérebro. Quando nos movemos, esta área do cérebro é ativada e, para desempenhar bem sua função, usar a maior parte dos recursos cerebrais. Como resultado, o córtex pré-frontal, encarregado de controlar a resposta emocional ao estresse, não recebe estímulo suficiente para manter o estado de estresse se tornando, assim, menos ativo. Consequentemente, o nível de estresse diminui. 

Como usar o esporte para combater o estresse?

O corpo produz endorfina em reação ao movimento, e endorfina levanta o astral. Por essas e outras o esporte é uma forma excelente de lidar com o estresse cotidiano.

É importante…

evitar se esforçar demais ou tentar bater um recorde pessoal numa fase altamente estressante da vida. Esse tipo de atitude pode aumentar o seu nível de cortisol, causando mais estresse ainda e ser prejudicial à saúde.

A melhor forma de combater o estresse com atividades físicas é: fazer treinos curtos e sempre incluir o processo de recuperação com sessões leves de corrida ou natação. Exercícios de baixa intensidade diminuem o cortisol eficientemente.(3) Escolha esportes que sejam divertidos, atividades que sejam prazerosas. Lembre-se: nos dias mais cheios e ocupados, faça menos.

Stretching as an exercise against stress

Qual é a melhor atividade para reduzir o estresse?

Estes são alguns exemplos de atividade esportiva que ajudam bastante a reduzir o estresse:

  1. Correr:
    Muitos especialistas recomendam a
    corrida, pois correr é uma das primeiras habilidades que adquirimos. O mais importante é se manter na faixa aeróbica, aquela em que a respiração acelera sem chegar ao ponto de perder o fôlego, para evitar pressionar (estressar!) demais o corpo.
  2. Caminhar:
    Fazer caminhadas regularmente ou passeios curtos
    já ajuda a reduzir os hormônios de estresse no organismo.
  3. Yoga:
    É uma forma infalível de “espairecer”. Quando nos concentramos na própria respiração, entramos num estado meditativo. 
  4. Esportes de equipe:
    Para quem passa muito tempo sozinho, tanto no trabalho quanto nos momentos dedicados ao lazer, os esportes de equipe, como o futebol, são ótimas formas de diminuir o estresse. Não subestime o poder de uma rede social de apoio. A colaboração gerada durante um trabalho em equipe aumenta a autoconfiança e pode reduzir o estresse.
  5. Autodefesa:
    Este tipo de esporte ajuda a aumentar a consciência sobre o próprio corpo, o que melhora o equilíbrio e a coordenação, além de aumentar a autoestima. Uma autoestima baixa contribui para o aumento dos níveis de estresse.
  6. Escalada:
    Escalar também aumenta muito a autoestima e dá uma grande sensação de liberdade. Escalar também ensina a focar no essencial e não se distrair. 

Dica da OMS:

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda fazer 150 minutos de exercícios por semana..(4)

Resumo

Se você quer usar o esporte para desestressar, é muito importante criar um vínculo positivo com o tipo de atividade escolhida; você deve fazê-la com prazer. Um treino curto moderado é uma boa opção para aliviar o estresse.

Não há vantagem alguma em escolher atividades ou planos de treino que sejam apenas mais um fator de estresse na sua vida, seja pelo aspecto competitivo ou porque exige muito esforço. A chave para o sucesso desse tipo de terapia é descobrir a quantidade adequada de exercício necessária para fazer seu corpo relaxar. Sim, entramos outra vez no aspecto individual da questão: algumas pessoas precisam correr uns 10 km para relaxar, mas isso não significa que você também. 

O estresse está atrapalhando sua saúde? Esportes ajudam muito! Experimente participar de um desafio de fitness com os apps adidas Running e adidas Training e veja como treinar pode ser mais que divertido.

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Tina Sturm-Ornezeder Tina ama escrever, é muito curiosa e está sempre de olho nas novas tendências. Ah! Ela também é apaixonada por yoga e... abacate! Ver todos os artigos de Tina Sturm-Ornezeder »