Alimentos frescos ou congelados: quais têm mais vitaminas?

Há quem diga que frutas, legumes e verduras congelados têm mais vitaminas que quando frescos, mas será que isso é verdade?

Alimentos frescos ou congelados o que é mais saudável? 

O que chamamos de “fresco” nem sempre é tão fresco assim

Frutas, legumes e verduras frescas são a própria cara da saúde, além de deliciosos! Entretanto, só porque não estão congelados, podem não ser exatamente “frescos”. Frutas e legumes às vezes precisam percorrer longas distâncias entre o local de produção e os mercados e feiras. Isso acaba sendo prejudicial para vitaminas mais sensíveis, como a vitamina C (encontrada em pimentões, vagens, brócolis, couve-flor, espinafre e frutas cítricas). Combinadas à exposição ao oxigênio, condições de temperatura e iluminação inadequadas provocam a perda acelerada de vitamina C.

Pessoa cortando legumes e hortaliças frescas

Fica a dica:

Frutas e legumes armazenados em temperatura ambiente perdem, diariamente, até 20% de seu conteúdo de vitamina C. Já na geladeira, a perda é bem menor. O teor de fibras e minerais (ex.: ferro) permanece estável e não é reduzido após as etapas de armazenamento e cozimento.(1)

Nem sempre é fácil ou viável dependendo de onde você more, mas tente comprar frutas e legumes de produtores locais e opte por frutas e legumes da estação.

Comida congelada pode ser, sim, uma boa opção

Frutas, legumes e verduras que passarão por congelamento são colhidos quando estão maduros e imediatamente submetidos ao congelamento rápido. Isso reduz a perda de nutrientes. Se você não for consumir as frutas e legumes logo após comprá-los, não pense duas vezes: opte pelo congelamento. Alimentos congelados têm mais vitaminas e minerais que produtos frescos armazenados em temperatura ambiente ou na geladeira. Um estudo confirma que alimentos ricos em vitamina C, como brócolis ou vagens, são especialmente sensíveis e propensos a perder seu valor nutricional.(2)

Uma tigela contendo frutas vermelhas congeladas

Outro estudo indicou que o teor de antioxidantes em blueberries (mirtilos) congelados é superior ao encontrado em blueberries frescos após 3 semanas(3). Mas, atenção: em se tratando de alimentos congelados, não quebrar a cadeia do frio é essencial. Leve produtos congelados do mercado para casa o mais rápido que puder, de preferência em uma bolsa térmica.

Atenção ao processamento

O teor de vitaminas e minerais presente nas frutas e legumes no momento do consumo depende de como estes alimentos foram processados. Alimentos cozidos a vapor ou assados conservam mais as propriedades nutricionais do que alimentos preparados em fervura. Em muitos casos, é possível pular o cozimento: que tal adicionar frutas e legumes crus a uma salada crocante?

Outra opção é fermentar alguns tipos de legumes ou verduras (ex.: “sauerkraut” ou “kimchi”). Alimentos fermentados são preservados de um jeito especial e, às vezes, ficam até mais nutritivos que quando frescos.

Já as frutas, bem, normalmente são consumidas frescas. Se você tiver paixão por uma fruta sazonal específica, como cerejas, pêssegos e peras, e estiver obstinado a consumi-la durante o ano todo, faça uma conserva. A perda vitamínica será baixa, mas lembre que as conservas não duram para sempre. O prazo de validade é de um ano, normalmente. Os vidros precisam ser vedados a vácuo e armazenados em um local fresco, seco e escuro.

Prato contendo uma variedade de legumes frescos

Lição para levar para a vida:

Uma dieta balanceada deve incluir alimentos frescos *E* congelados. Atenção à estação do ano: opte pelos alimentos sazonais da região quando for comprar frutas e legumes frescos. Tente evitar longas rotas de transporte, onde sempre há perda de nutrientes.

MUITA ATENÇÃO: o que não falta por aí são legumes congelados pré-preparados com alto teor de gordura, sal e até açúcar! Sempre leia a lista de ingredientes antes de comprar alimentos congelados.

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Julia Denner Julia é dietista e apaixonada por culinária. Para ela, o segredo de uma vida saudável está na combinação alimentação equilibrada + prática regular de atividades físicas. Ver todos os artigos de Julia Denner »