Sente sono depois do almoço? 6 dicas para recuperar a energia

Homem com sono depois do almoço

 Você passa a manhã pensando no almoço delicioso que está por vir. A hora do almoço é sagrada: após uma manhã intensa, é a hora de repor as energias para enfrentar o resto do dia.

Mas… passa um tempinho, e lá vem ela: aquela indesejável sonolência que pega de jeito e não larga por nada no mundo. Adeus, produtividade! — Ou será que tem jeito?

O cansaço e sonolência que sentimos após as refeições tem até nome técnico: “sonolência pós-prandial”. Trata-se de um fenômeno  totalmente normal, tanto que, em muitos lugares, ainda existe o hábito da “siesta”. Crianças pequenas dormem após comer. E quem nunca se permitiu aproveitar esse soninho em um fim de semana?

Mas a vida moderna é como ela é. Muita gente não pode sequer sonhar com um cochilo à tarde. E agora, o que fazer?

Confira abaixo algumas causas para o sono que bate após o almoço, quais são os alimentos mais propensos a causar sensação de um aparentemente irremediável cansaço e veja dicas sobre como evitar tamanha fadiga após uma refeição.

Muito sono depois do almoço

1. Por que sinto tanto sono após almoçar?

À medida que os alimentos entram no sistema digestivo, ocorre um aumento expressivo no fluxo sanguíneo direcionado ao estômago e aos intestinos. Consequentemente, o suprimento de sangue (e oxigênio) no cérebro diminui: é isso que causa a sonolência após comer.

2. Quais alimentos causam mais sono?

Alimentos que contêm o aminoácido triptofano(1) têm mais propensão a causar sonolência, principalmente após o almoço.

Dê preferência a consumir tais alimentos no jantar até para favorecer para um sono reparador, mas evite-os (ou consuma-os somente em pequenas porções) na hora do almoço:

  • Leite
  • Carnes: suína, bovina, frango
  • Peixes: atum, cavala, salmão, linguado, truta
  • Queijo: parmesão, emmental, edam, brie, camembert (para queijos locais, consulte nutricionistas)
  • Cereais: aveia, produtos contendo farinha de espelta (trigo vermelho), mileto ou trigo (sarraceno)
  • Castanhas: avelã, castanha-de-caju, nozes

Anda buscando caprichar no almoço sem abrir mão do bom paladar? Confira estas 5 receitas super fáceis e rápidas: prepare de antemão no fim de semana e… marmita saudável é vida!

3. Comi um doce para “dar uma acordada” e sinto ainda mais sono. Por quê?

O açúcar é uma faca de dois gumes. Aliás, não só ele, mas também outros alimentos nada doces porém ricos em carboidratos simples, como massas não integrais e pão branco, por exemplo: tais alimentos fazem com que o corpo libere mais insulina. A insulina é um hormônio peptídeo que reduz rapidamente a glicemia — teor de açúcar no sangue.

Quando comemos alimentos deste tipo, há uma espécie de “euforia causada pelo açúcar/carboidratos simples”, que é seguida de uma rápida resposta da insulina. Se o corpo liberar muita insulina, pode ser que os níveis de açúcar no sangue se reduzam bruscamente. As consequências práticas são a tal sonolência incontrolável depois de comer, falta de energia e dificuldade de concentração. E aí começa o ciclo: o que você vai querer, naturalmente? Mais açúcar!

Assim, se você quiser ser uma pessoa mais ativa e produtiva durante o dia inteiro, seria uma excelente ideia reduzir o consumo de açúcar. Se alimentando de forma mais saudável e adotando refeições balanceadas e ricas em nutrientes, é menos provável que você sinta tanto cansaço após as refeições.

4. Como evitar a sonolência após comer?

6 dicas para evitar sentir sono após comer

1. Tome um bom café da manhã

Tomar um bom café da manhã eleva a quantidade de açúcar no sangue, mas de maneira sustentável, de forma a evitar que você se pegue “morrendo de fome” do nada ou então perdendo a concentração por desejos alimentares aparentemente descabidos. Além disso, no café da manhã, geralmente comemos em quantidade menor do que no almoço.

É por isso que, normalmente, não sentimos sono após o café da manhã, ao passo que isso acontece muitas vezes após o almoço: comer mais do que o corpo consegue processar é uma das causas para a sensação de fadiga e sonolência. Portanto, tente comer um pouco mais (e bem!) pela manhã e se alimente em porções menores ao longo do dia para não sentir tanta queda na energia depois de comer.

2. Cuide da hidratação

Acha que comeu demais porque estava morrendo de fome? Bem, cuidado: muita gente confunde “estar com fome” e “estar com sede”. 

Beba muita água durante o dia. Escolha uma boa garrafa sem BPA que possa acompanhar você durante o dia todo, de preferência com canudo: fica sempre aberta e é só ir bebericando, mas não causa grandes vazamentos se for derrubada. Calcule o quanto de água precisa beber por dia:

3. pratique exercícios “anti-sonolência” após o almoço

Caminhar um pouco ao ar livre pode fazer milagres após o almoço. O ar fresco e o exercício praticado, ainda que leve, podem reabastecer o cérebro com o oxigênio necessário. Não tem como sair para caminhar? Então, “plano B”: abra a janela e respire profundamente por alguns minutos. Plano C: faça 20 agachamentos. É super rapidinho e já faz o sangue circular.

Lembre-se: exercitar-se com o estômago vazio ou sem alimentação adequada pode, ao contrário do desejado, drenar a energia dos músculos e da mente! Faça um esforço para se alimentar de forma adequada, especialmente se você pratica atividades físicas.

4. Limite o consumo de cafeína

Se você acha que precisa beber cinco xícaras de café para “finalmente acordar”, lembre que excessos sempre atrapalham mais que ajudam.  Tudo bem consumir uma ou duas bebidas contendo cafeína na parte da manhã (de preferência café ou chás contendo cafeína e sempre SEM AÇÚCAR), pois isso estimula a liberação de adrenalina. Mas pare por aí, ou pode experimentar efeitos adversos: a pessoa fica “ligadona” e cadê que consegue se concentrar? E, depois, quando a quantidade de adrenalina for se dissipando, o impulso será buscar mais estímulos adrenais. 

Tem gente que fica “ligadona” devido à ingestão de cafeína por até 5h após o último café, chá ou alimento cafeinado (olá, chocolate!). Assim, está mesmo precisando de mais energia? Então tome um café ou outra bebida cafeinada logo após o almoço. Evite tomar café da tarde em diante. Afinal, depois de um dia intenso, ninguém merece sentir dificuldade para dormir à noite.

5. Tire um cochilo estilo “power nap”

Sabemos que nem todo mundo tem a sorte de poder tirar um cochilo energizante, estilo “power nap”, após almoçar. Mas, hoje em dia, há muitas empresas que dispõem de salas silenciosas onde os funcionários podem descansar durante 10-20 minutos. Se a empresa permitir home-office em alguns dias, aproveite também! Mas, atenção: 20 minutos é o máximo de tempo que se deve dormir para acordar revigorado! Se dormir por mais tempo, talvez acorde sentindo mais cansaço que antes. Saiba mais sobre os benefícios saudáveis dos cochilos energizantes (“power naps”).

6. Aposte em um almoço saboroso

Sente sono após almoçar? Ok, faz parte. Mas não é por isso que você deve pular o almoço! Nem faz bem. Em vez de radicalismos, experimente comer porções menores de refeições bem equilibradas ao longo do dia para manter os níveis de energia estáveis. 

Dica:

Ainda está em busca de opções de almoço saudáveis que não pesem no estômago durante a tarde inteira? Planeje suas refeições com antecedência e garanta refeições saudáveis para a família toda que podem facilmente ir na marmita!

Artigos relacionados:

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Tina Sturm-Ornezeder Tina ama escrever, é muito curiosa e está sempre de olho nas novas tendências. Ah! Ela também é apaixonada por yoga e... abacate! Ver todos os artigos de Tina Sturm-Ornezeder