A verdade sobre o plástico >> fatos para ajudar você a viver sem ele

Uma garrafa plástica leva 450 anos para se decompor. Agora, pense nesta garrafa dentro deste contexto: 

  • 12 minutos: é o tempo médio de utilização de um saco plástico antes de ser jogado fora.(1)
  • Há 269,000 toneladas de plástico nos oceanos.(2)
  • 1 milhão de aves marinhas e aprox. 135 000 mamíferos marinhos morrem cada ano por causa do lixo plástico.(3)
  • 300 milhões de toneladas de plástico são produzidas por ano mundialmente. Compare! Em 1950, a produção chegava a 1,5 milhões de toneladas.(4)
  • 4,7 bilhões de canudinhos de plástico são usados e jogados fora todos os anos, apenas no Reino Unido.(5)
  • Há 6 vezes mais plástico do que plâncton flutuando em diversas regiões oceânicas do planeta.(6)
  • Até 2050, teremos mais plástico do que peixes no mar.(7)

Mulher carregando uma planta dentro de um saco plástico.

Plástico é conveniente, coisas de plástico facilitam o nosso dia a dia. Por isso, para muitas pessoas, é praticamente inimaginável viver sem ele.

Sim, é difícil renunciar a praticidade de um café to go, uma salada já lavada e prontinha numa embalagem plástica, fraldas descartáveis, vasilhas de plástico e, imagine só, aspiradores de pó! A questão é que raramente pensamos nas terríveis consequências do nosso próprio consumo de plástico.

Somos o que comemos: plástico na nossa comida

Você comeria um pedaço de garrafa plástica? Provavelmente não. Pois é, você não percebe, mas você come plástico, plástico proveniente do petróleo.

Quando pedaços de plástico chegam nos oceanos, eles não se decompõem completamente. Partículas quase invisíveis, conhecidas como microplásticos, permanecem nos mares. Peixes e outros animais marinhos não conseguem distinguir microplásticos, plantas e plânctons. Ou seja, eles confundem comida e plástico e, muitas vezes, ingerem plástico. 

Assim o plástico entra na cadeia alimentar. Quando comemos peixes, comemos também o plástico ingerido por eles. Também bebemos plástico quando reutilizamos garrafinhas de plástico. 

Bom saber:

Cada vez que enchemos uma garrafinha de plástico novamente, partículas de plástico se soltam da garrafa e se misturam com a água. Nós engolimos estas partículas minúsculas quando bebemos a água da garrafinha.

Frutas berries em embalagens de plástico.

Microplástico no dia a dia

Pastas de dente, esfoliantes faciais, sabonetes líquidos e cremes faciais: o plástico está escondido em muitos lugares. Pellets plásticos são propositalmente adicionados a cosméticos para criar os efeitos de “dentes mais brancos”, “pele super sedosa” e “rosto reluzente”. Também desta forma o plástico entra no nosso corpo. E assim ele chega aos encanamentos e sistemas de esgoto até ser finalmente lançado nos mares.

O plástico é tóxico para humanos

Vários estudos comprovam o perigo do plástico para o organismo humano: bisfenol A (BPA), ftalatos, formaldeído (metanal) — esses e outros produtos químicos presentes no plástico são tóxicos. Eles causam câncer, infertilidade, alergias e muitos outros problemas de saúde.

4 dicas para evitar o plástico

Viver completamente sem plástico não é fácil, talvez seja até impossível. Mas, você pode repensar o seu consumo de plástico! Veja estas dicas:

A conscientização é o primeiro grande passo no problema do lixo plástico. Entender e repensar o seu próprio consumo é fundamental. Depois disso, você pode começar a implementar soluções, pouco a pouco, no seu dia a dia, para reduzir o seu consumo e produção de (lixo) plástico.

Ao se deparar com algum tipo de plástico, pergunte-se: eu realmente preciso deste produto na minha vida? Dá pra ficar sem ele?

É preciso entender que o problema do plástico é mesmo muito grave, e é mundial. Apenas assim você vai conseguir colocar em prática ações sustentáveis que vão preservar o meio ambiente e, sobretudo, a sua própria saúde.

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Tina Sturm-Ornezeder Tina ama escrever, é muito curiosa e está sempre de olho nas novas tendências. Ah! Ela também é apaixonada por yoga e... abacate! Ver todos os artigos de Tina Sturm-Ornezeder »

Leave a Reply