Como saber quais são os melhores tênis de corrida? 6 mitos detonados!

É difícil pensar em correr sem pensar nos acessórios envolvidos, e há um indispensável: os tênis. Quem leva o esporte a sério costuma pensar muito bem antes de investir em um pisante novo. Afinal, hoje em dia, há tanta variedade de modelos e funcionalidades disponíveis no mercado! Com tanta opção, comprar um tênis novo pode virar um super desafio.

E isso sem contar os mitos: “correr com tênis minimalistas é o ideal de perfeição para um estilo de corrida natural” ou “tênis leves aumentam a velocidade”: há quase tantas opiniões quanto modelos e preços! E aí, como diferenciar opiniões de fatos? Conversamos com nosso especialista Sascha Wingenfeld, e ele esclareceu o que levar em conta na hora de achar os tênis certos para as suas necessidades.

Grupo de corredores

Mito nº 1: “Correr com tênis minimalistas é o ideal de perfeição para um estilo de corrida natural”

“Evidentemente, tênis minimalistas facilitam correr com boa forma de corrida”, afirma Sascha Wingenfeld. “Tênis minimalistas forçam o corredor a correr com o antepé, de forma que apenas os metatarsos tocam o chão”. Por outro lado, essa técnica exige muito dos músculos, acarretando em bastante impacto aos tornozelos e joelhos. “Muita gente que corre apenas por hobby, e não profissionalmente, não têm músculos estabilizadores desenvolvidos o suficiente para correr com tênis minimalistas, podendo, assim, vir a desenvolver problemas que poderiam ser evitados.”

Corredores mais adaptados a tênis tradicionais precisarão de mais tempo para se adaptar a esses novos modelos. Se não houver muita calma no processo, há risco de estiramento. “Além disso, modelos minimalistas não são lá muito confortáveis. Diferentemente dos tênis mais usuais, eles não protegem os pés contra a umidade, frio, pedras e irregularidades no solo”, lembra Sascha. Desta forma, tênis minimalistas podem até funcionar bem como ferramenta de treinamento, prioritariamente.

Resumindo: tênis minimalistas são perfeitos para alterar e otimizar sua técnica de corrida. Entretanto, esses modelos não são exatamente ideais para corridas diárias ou longões.

Mito nº 2: “Palmilhas ortopédicas ajudam a correr sem dor”

Palmilhas ortopédicas foram projetadas para dar aos pés a estabilidade necessária, ou seja, um “extra” de estabilidade que os músculos estabilizadores do próprio corpo (dos pés e joelhos) não dão conta de proporcionar plenamente. É nesse sentido que as palmilhas, teoricamente, permitiriam correr sem dor. Será que é verdade? Vamos à opinião do expert em corrida: “Bons tênis de corrida têm amortecimento extra e proporcionam suporte justamente nos pontos em que os pés do corredor ou corredora tendem a apresentar desalinhamentos ou desequilíbrios. É importante ter em mente que as lojas de produtos esportivos muitas vezes tentam vender palmilhas ortopédicas em uma espécie de compra combinada com os tênis”.

Mas as palmilhas não são uma solução universal que se aplica a todo mundo com perfeição. “A única situação em que vale realmente a pena recorrer a uma palmilha ortopédica é quando outros métodos de treinamento não dão conta de eliminar a dor na corrida.”

Resumindo: vale mais a pena investir em ganhar força física, melhorar a mobilidade e aprimorar a forma de corrida do que adquirir palmilhas ortopédicas para corrigir descompensações simples.

Grupo correndo

Mito nº 3: “A única diferença entre tênis de corrida masculinos e femininos é o design e a cor”

Hoje em dia, muitos fabricantes de acessórios esportivos disponibilizam tênis de corrida especiais para mulheres e homens. Segundo Sascha, há bons motivos para isso: “Em comparação aos pés masculinos, os pés das mulheres são menores, mais estreitos, mais flexíveis e menos volumosos. Fora isso, mulheres e homens são diferentes também no tocante à composição corporal (peso, por exemplo) e controle motor geral.”

Todas essas diferenças são levadas em conta na hora de projetar os tênis de corrida. Por exemplo, nos tênis femininos, a sola na região externa e central do calcanhar é mais leve e flexível. Outras partes do calçado também apresentam especificidades baseadas no tipo de corpo de quem vai utilizá-los: há variações na estrutura, amortecimento e encaixe nos pés.

Resumindo: tênis de corrida para homens e mulheres são diferentes por vários motivos. A julgar apenas pelo olhar, nem sempre isso fica óbvio logo de primeira. “Se quiser achar os melhores tênis para os seus pés, siga sua intuição. Claro que mulheres podem correr com tênis vendidos como ‘masculinos’, também. O principal é o conforto. Os pés precisam estar confortáveis. Isso é o mais importante.”

Mito nº 4: “Tênis com estabilidade minimizam problemas ortopédicos e são melhores para as articulações”

O corpo humano nasceu para correr. Literalmente, fomos projetados para correr descalços. Infelizmente, acabamos perdendo essa habilidade por termos nos habituado, ao longo dos séculos, a calçarmos sapatos pesados e robustos, duros. É justamente por isso que precisamos de tênis de corrida capazes de fornecer suporte adequado.

Aí, vem a questão: será que precisamos mesmo de tênis com estabilidade para ter o suporte necessário? “Quanto mais nossos pés estiverem acostumados, ‘guiados’, influenciados por tênis com estabilidade, nosso corpo perderá cada vez mais a capacidade de manter a forma de corrida correspondente ao movimento natural do corpo.” Assim, tênis de corrida com estabilidade acabam assumindo grande parte do trabalho que o corpo deveria realizar para manter os músculos em forma.

Resumindo: tênis com estabilidade são úteis para quem pratica corrida de resistência sem ter desenvolvido a força muscular necessária para proporcionar estabilidade constante. Entretanto, seria mais eficaz elevar a estabilidade muscular em vez de deixar esse trabalho por conta dos fabricantes de tênis.

Dupla correndo na rua

Mito nº 5: “Corredores têm que ter vários pares de tênis”

A forma de corrida é aprimorada graças à variedade nos estímulos de treino. Exercícios diversificados garantem o dinamismo das capacidades motoras e alavancam o poder de “mola” da pisada. Segundo Sascha: “Isso abrange treinar em diversas velocidades, superfícies, e com diferentes tênis de corrida”.

Resumindo: recorrer a vários tipos de tênis força os pés e a forma de corrida a se adaptarem a uma maior gama de cargas de treino. Com a diversidade, a técnica de corrida vai gradualmente sendo aprimorada. Articulações, ligamentos, tendões e músculos ficam mais fortes e, assim, menos suscetíveis a lesões. Mas, “para quem corre por hobby, ter dois pares de tênis de corrida é o suficiente”, aconselha Sascha.

MITO nº 6: “Tênis mais leves são mais velozes”

Melhorar o tempo de corrida depende do peso corporal, do nível de treinamento da pessoa e da forma de corrida. Tênis de corrida excessivamente leves podem sobrecarregar o corpo dos corredores iniciantes, que ainda carecem da estabilidade muscular necessária. “A falta de estabilidade pode causar problemas para quem está começando a correr.” Neste caso, é aconselhável lançar mão de tênis mais pesados, pois eles orientam melhor os pés.

Resumindo: o benefício extraído dos tênis super leves vai depender da condição física do corredor: quanto melhor o condicionamento, mais benefícios! Mas, de forma geral, apenas a leveza do tênis não garante maior velocidade na corrida.

Mulher pulando com tênis de corrida

Conselho final do sascha:

“Os melhores tênis de corrida são aqueles que melhor atendem às necessidades individuais de quem está correndo. Todavia, claro que os tênis, considerados isoladamente, não oferecem nenhuma garantia contra lesões, dor ou sobrecarga.”

“Além disso, há vários fatores que influenciam na escolha do calçado, incluindo a velocidade média dos seus treinos, a época do ano e o tipo de superfície em que você costuma correr. O principal é que correr seja sempre uma diversão. Para isso, é fundamental que uma forma de corrida saudável e estável seja desenvolvida. Aí, você vai poder correr e se divertir com todo tipo de modelo de tênis!”

“Para grande parte dos corredores, o que faz mais diferença não é só o tênis: é ter um cronograma de corrida bem planejado, conciliado a exercícios eficazes para aprimorar a estabilidade, força e técnica.

***

CLASSIFIQUE ESTE ARTIGO

Sascha Wingenfeld

Sascha é coach de bem-estar e triatleta. Com mais de 10 anos de experiência, ele treina corredores de todos os níveis. "Sou apaixonado pelo meu trabalho, amo correr". Ver todos os artigos de Sascha Wingenfeld »